Planejamento Estratégico

agestpe

Visualize aqui o Plano Estratégico de 2012 a 2020 ,

de acordo com a Resolução Nº 249, de 14 de março de 2018.

Em um mundo de aceleradas transformações, que alcançam as mais diversas áreas, como a tecnológica, a judiciária e a social, novos temas passam a fazer parte das preocupações das pessoas, assim as instituições públicas, para cumprirem suas missões, e até mesmo para sobreviverem, têm de se modernizar.

O planejamento estratégico organizacional é uma valiosa ferramenta para dar respostas aos novos desafios, pois proporciona orientação às ações gerenciais em todos os níveis, estabelece e define objetivos a alcançar, estratégias a serem empreendidas e um rol de ações, programas e projetos conformados à estratégia, diminuindo os riscos de tomada de decisões equivocadas ou ineficientes, iniciativas sem resultados eficazes e desperdícios de recursos, de energia e do tempo de trabalho das pessoas.

As primeiras iniciativas para elaboração do Planejamento na JMU foram suscitadas em 2009, resultando em um primeiro plano. Em 2010, foi criada neste Tribunal uma unidade de Gestão Estratégica e realizada a revisão do plano inicial. O Pleno por meio da Resolução nº 172, de 17 de março de 2010, aprovou o Planejamento Estratégico da JMU para 2010-2014. Em 2011 iniciou-se a revisão do Planejamento Estratégico e à confecção do atual Plano.

Foram definidas premissas básicas que orientariam esse processo: foco no futuro, na legitimidade do Plano, na transferência de inteligência e no alinhamento ao Planejamento Estratégico do Judiciário Nacional. Foram realizadas apreciações das diferentes metodologias e de diversas consultorias, optando-se pelo Método Grumbach – moderna metodologia de planejamento que emprega cenários prospectivos.

Existem dois diferenciais notáveis no Planejamento em tela: a forma participativa como foi elaborado e o emprego de cenários prospectivos. Foi facultado a todos os magistrados e servidores da JMU participarem desse processo, que dedicaram uma boa parcela de tempo em workshops, palestras, debates, pesquisas e digitações.

Uma vez elaborado o Planejamento Estratégico, há de se executá-lo. Além dos indicadores e metas da sistemática Balanced Scorecard (BSC), alguns outros aspectos mecanismos de acompanhamento, monitoramento e controle estão previstos como forma de superar e apoiar as esperadas dificuldades desta fase.

É importante lembrar que a gestão estratégica abrange a elaboração do planejamento, o acompanhamento e o gerenciamento de sua execução, incluindo – mas não restrito – ao gerenciamento de projetos, a gestão de processos, a estatística e a inteligência estratégica.

Para saber sobre o Planejamento Estratégico da Justiça Militar da União acesse o link abaixo:

A RAE ocorre trimestralmente, por convocação do Ministro-Presidente e com participação do Comitê-Gestor Estratégico, momento que serão apreciadas e tomadas decisões acerca da execução:

- do Planejamento Estratégico, de suas iniciativas e metas;
das metas nacionais do Judiciário, estabelecidas sob coordenação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ);
dos projetos acompanhados pelo Escritório Corporativo de Projetos (ECP).

2018

Relatório da 2ª Reunião de Análise da Estratégia de 2018

Relatório da 1ª Reunião de Análise da Estratégia de 2018 

2017

Relatório da 1ª Reunião de Análise da Estratégia de 2017

1ª Reunião de Análise da Estratégia de 2017

2016

1ª Reunião de Análise da Estratégia de 2016

2ª Reunião de Análise da Estratégia de 2016

2015

1ª Reunião de Análise da Estratégia de 2015

2ª Reunião de Análise da Estratégia de 2015

 

De acordo com a  Resolução Nº 242, de 17 de maio de 2017, a composição do Comitê-Gestor Estratégico foi redefinida.

Assim, o Comitê Gestor Estratégico passa a ser composto pelos seguintes membros permanentes:

- Ministro­Presidente;
- Ministro Vice­Presidente;
- Juiz-Auditor Corregedor;
- Diretor-Geral da Secretaria;
- Chefe de Gabinete da Presidência;
- Titulares da Secretaria Judiciária e da Assessoria de Gestão Estratégica.

 

Para saber mais sobre a RAE e a atuação do Comitê Gestor Estratégico, acesse:

Resolução Nº 242, de 17 de maio de 2017 - Altera os artigos 3º, 4º, 5º e 6º da Resolução n° 186, de 24 de outubro de 2012.

Resolução Nº 186, de 24 de outubro de 2012 - Dispõe sobre o Planejamento Estratégico da Justiça Militar da União para o período de 2012 - 2018.

Ato Normativo Nº28, de 14 de dezembro de 2012 - Dispõe sobre o Comitê-Gestor Estratégico, o Gestor de Iniciativa, o Gestor de Meta e a Reunião de Análise da Estratégia previstos no Planejamento Estratégico da Justiça Militar da União 2012 - 2018.

Ato Normativo Nº 06, de 11 de março de 2013 - Dispõe sobre o Gerenciamento de Projetos e o Escritório Corporativo de Projetos na Justiça Militar da União.

 

logo planejamento estrategico

No âmbito do Poder Judiciário, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou, em 2009, a Resolução nº 70, que regulamentou as ações voltadas para o planejamento e a gestão estratégica. Já a Resolução CNJ nº 198/2014 estabelece, em seus dispositivos, que os órgãos do Judiciário devem alinhar seus respectivos planejamentos estratégicos à Estratégia Nacional do Poder Judiciário, com a possibilidade de revisões periódicas. A referida Resolução dispõe, ainda, que os planos estratégicos dos órgãos devem observar o conteúdo temático dos Macrodesafios do Poder Judiciário, bem como contemplar as Metas Nacionais e Iniciativas Estratégicas Nacionais.

Nesse contexto, o Planejamento Estratégico da Justiça Militar da União (PE-JMU) foi elaborado tendo como enfoque a atribuição precípua da Justiça Militar da União, a qual consiste em processar e julgar os crimes militares definidos em lei (Art. 124, da CF/88). Aprovado pela Resolução STM nº 186/2012, estabeleceu-se, inicialmente, o horizonte temporal de 2012 a 2018 para sua vigência.

Contudo, no intuito de promover o alinhamento temporal do seu Planejamento Estratégico ao do Poder Judiciário, a JMU editou a Resolução STM nº 249/2018, prorrogando a vigência do seu Plano até 31 de dezembro de 2020.

Diante disso, devido ao início de um novo ciclo de revisão da Estratégia Nacional do Poder Judiciário para o sexênio 2021 a 2026, faz-se necessária, concomitantemente, a revisão do PE-JMU, a fim de que sejam redefinidos os objetivos e as iniciativas estratégicas de acordo com os cenários internos e externos projetados para a Instituição. Ademais, a construção de um novo PE-JMU permitirá aprimorar a gestão dos recursos públicos, reduzir os riscos estratégicos e auxiliar nas tomadas de decisões.

 

Cronograma

Vídeo - Planeja JMU

Vídeo - Diagnóstico Estratégico

 

Mais nesta categoria